Associação

Inspirada pelo desassossego do vento que lhe deu o nome, surgiu a Associação Cultural Ideias do Levante, em Abril de 1995. Na sua origem, esteve um grupo de jovens que, enfeitiçados pelo vento do Levante e pela força das suas ideias, quiseram desenvolver a cultura no Concelho de Lagoa.

A recente Associação então formada pretendia identificar, promover, criar e divulgar actividades culturais, empreender formação no mesmo âmbito, debater ideias e promover culturalmente o Concelho de Lagoa e a região algarvia.

Ainda sem uma sede própria e sem um espaço capaz de satisfazer o tamanho dos seus sonhos, a Associação optou pela exploração de espaços não convencionais para a prática cultural. O Sítio das Fontes, na altura recentemente transformado em Parque Municipal, foi o local perfeito para, juntamente com textos do escritor algarvio Teixeira Gomes e lendas de mouras encantadas, levar a cena o primeiro espectáculo Ideias do Levante, uma mistura de teatro, dança e música, intitulado “Memorial do Moleiro ou Evocação das Mouras no Sítio das Fontes”, da autoria de Ana Oliveira e com encenação de Figueira Cid.

O Sítio das Fontes passou a ser um local de referência da Associação Ideias do Levante que continuou a apresentar aí os seus espectáculos, tendo no ano seguinte levado a cena “Afonso III” de Ernesto Leal e uma nova proposta, um Café-Teatro intitulado “Um Fogo e Pêras” com textos de Karl Valentim, ambos encenados por Figueira Cid.

Querendo também desenvolver um trabalho para a infância, a Associação apostou no Teatro Infantil, apresentando ainda em Dezembro de 1996 a peça “As Três Abóboras” de António Torrado no auditório do Convento de S. José, com a encenação de Jorge Soares. Outro projecto para a infância foram as acções de “Música Trocada por Miúdos” realizadas com as escolas do concelho onde as crianças puderam ter um contacto directo com a música erudita e os seus instrumentos.

É também no ano de 1996 que é fundado o Coral Ideias do Levante. A sua regência esteve nos primeiros anos a cargo do maestro Ricardo Carvalho, tendo o grupo realizado a sua primeira actuação também no Sítio das Fontes.

Devido à necessidade crescente de um espaço para guardar os materiais cénicos, em 1997 a Associação passa a dispor de uma sede em Lagoa, numa loja alugada para o efeito. Nesse mesmo ano opta pelo Claustro do Convento de S. José para apresentar “Os amores de D. Perlimplim com Belisa em seu jardim”, de Frederico Garcia Lorca, numa encenação de Helena Tapadinhas, continuando a apostar em espaços não convencionais para a prática teatral. Com uma nova peça para público infantil, volta ao auditório do Convento de S. José para apresentar “A Princesa Pele de Burro” numa adaptação do Conto de Perrault, com encenação de Rita Wengorovius.

No ano de 1998, o grupo coral Ideias do Levante sofre uma reestruturação, passando a trabalhar com base numa renovada concepção de pedagogia do canto coral, sob a direcção artística do Prof. José Carlos Bago D’Uva.

Em relação ao teatro, a Associação regressa ao Parque Municipal do Sítio das Fontes, apresentando “O Solário” de Fernando Augusto, com encenação de Rui Sérgio.

Desde o início da constituição da Associação existiu sempre uma forte aposta na formação como base para a realização de um trabalho de qualidade. Foram vários os formadores e formações realizadas pela Associação Ideias do Levante abrangendo áreas como a Técnica da Máscara, técnicas de interpretação teatral, da dança criativa, do canto coral, entre outras. No entanto, no ano de 1998, a Associação resolve inovar ao nível da formação e passar a apostar na formação “Actor em Construção” constituída por diferentes módulos com diversos formadores.

No final desse ano a Associação Ideias do Levante assiste a uma mudança na sua direcção, até ali presidida por Helena Tapadinhas. A nova direcção a cargo de Ana Cristina Oliveira inicia o ano de 1999 com a produção “Conversa de Mulheres”, com texto original e encenação de Bibi Perestrelo, voltando a apostar em espaços não convencionais, neste caso o antigo depósito da água de Lagoa.

Nesse ano é realizada com bastante sucesso a 1ª Semana Coral do Concelho de Lagoa, levando a música coral às diferentes freguesias do concelho, tornando-se num evento de referência do Coral Ideias do Levante e do Algarve, inovador pela descentralização dos seus concertos. O grupo coral ganha prestígio, sendo convidado a participar na gravação de um CD-duplo dedicado à musica coral do Algarve, integrado na colecção discográfica “Os Melhores Coros da Região”.

O espectáculo “Mandrágora” de Nicolau Maquiavel com encenação de Figueira Cid acontece no Sítio das Fontes durante o Verão de 1999 e no final desse ano estreia a peça “Maria Adelaide” de Teixeira Gomes, com encenação de Pedro Santos, na Antiga Lota de Portimão.

A aposta no público infantil continua presente, sendo realizadas várias “Horas do Conto” quer na Biblioteca Municipal de Lagoa, quer em associações do concelho onde existem ateliers de ocupação dos tempos livres.

No ano de 2000 a Associação comemorou 5 anos de existência, tendo sido realizada uma exposição comemorativa e uma mostra de teatro. O grupo Coral ganha força no contexto algarvio, continuando a Semana Coral do Concelho de Lagoa a somar pontos. Nesse mesmo ano é renovada a direcção da Associação, passando a mesma a ser presidida por Conceição Silva.

Desde essa data, a Associação tem apresentado uma produção todos os anos, nomeadamente “Alarmes, Brindes e Excursões” de Mychael Frayn, em 2001 e “Os Combustíveis” de Amélie Nothomb, em 2002, ambas com encenação de Cristina Bizarro e “Sair do Armário” de Robert Reinhart, em 2003, com encenação de Rui Sérgio.

As digressões do Grupo de teatro e do grupo coral já ultrapassam o Algarve tendo o grupo de teatro já actuado em Évora, Lisboa e Aveiro e o grupo coral actuado na Madeira, Santiago do Cacém, Palmela, Santa Maria da Feira e Espanha.

Desde 1997, a Associação tem apostado também nas novas tecnologias tendo criado o seu site na internet em www.ideiasdolevante.rg3.net e criado um site único a nível nacional dedicado à música coral em www.adiemus.co.pt. Neste campo, a Associação pretende continuar a inovar e a colocar as novas tecnologias ao serviço da cultura.

A Associação Cultural Ideias do Levante tem hoje o reconhecimento do seu trabalho no contexto cultural e associativo do Algarve. São várias as entidades que apoiam e valorizam o seu trabalho, entre elas, a Câmara Municipal de Lagoa que desde o início apostou neste grupo de jovens.

A Associação teve eleições de novos corpos gerentes, em 2003, sendo a nova direcção presidida por Roberto Estorninho. Além disso, a Associação passou a contar com novas instalações, um espaço cedido pela autarquia no antigo Centro de Dia de Lagoa.

As apostas iniciais da Associação continuam válidas pretendendo esta continuar a desassossegar as gentes do Algarve com as suas Ideias do Levante.